apartheid urbano

A ideia nasceu logo após a enchente de 1941, durante um seminário da Sociedade de Engenharia para debater alternativas para proteger a cidade de novas cheias. A Cortina de Contenção, proposta na época, só seria construída 30 anos depois, durante o “milagre econômico” que sustentou a ditadura militar no Brasil. É composta de três partes: a elevação da Avenida Beira-Rio, ao Sul; a Avenida Castelo Branco – hoje, Avenida da Legalidade e da Democracia –, ao Norte, e o chamado Muro da Mauá, com três metros de altura. Em seus 2.647 metros de extensão, estão dispostos 14 portões, prontos para serem imediatamente fechados diante de ameaças de cheias, o que nunca foi necessário. Com a redemocratização do país, o Muro passou a ser questionado por entidades ambientais e urbanísticas, por haver se tornado uma barreira entre a cidade e o Guaíba.

Marco Nedeff

Marco Nedeff