A masmorra tenebrosa

Durante um século, a fortaleza de pedra construída na ponta da cidade, às margens do Guaíba, foi a principal causa dos mais medonhos pesadelos dos porto-alegrenses. Inaugurado em 1855, com capacidade para receber 300 presos, o Cadeião foi se deteriorando ao longo do tempo, até ganhar o apelido de “masmorra tenebrosa”. No interior de duas paredes com um metro e meio de largura, histórias macabras se repetiam diariamente, em um ritual contínuo de assassinatos hediondos, torturas e corrupção. No final de 1954, um grande incêndio irrompeu em suas galerias, mobilizando toda a guarnição do Corpo de Bombeiros. Soube-se depois que o sinistro fora iniciado pelos próprios detentos para facilitar uma fuga em massa. Ao final, as chamas determinaram o fechamento da Casa de Correção, que seria dinamitada em 1962, pelo então governador Leonel Brizola.

Marco Nedeff

Marco Nedeff

Marco Nedeff

Marco Nedeff

Fototeca Sioma Breitman/MJJF – PMPA

Fototeca Sioma Breitman/MJJF – PMPA