Guaíba invadido

O projeto era ambicioso. Tratava-se de executar um gigantesco aterro de uma boa fatia do Guaíba, da Usina do Gasômetro até a Ponta do Melo e nele instalar conjuntos habitacionais de classe média para 42 mil pessoas, com parques, marina pública, dois balneários com bares, restaurantes, iate clube e cassino, além de abrir espaço para um estádio de futebol. Previsto no plano do arquiteto Arnaldo Gadosch, de 1943, o aterramento só seria realizado no final dos anos 50. O projeto habitacional fracassou. A largura do aterro diminuiu de 300 para 200 metros. Somente nas décadas de 1970 e 1980, a área foi efetivamente urbanizada com a construção dos parques Marinha do Brasil, em um perfil voltado a atividades esportivas e de lazer, e o Parque Harmonia – hoje, denominado Maurício Sirotsky, com forte ênfase tradicionalista, abrigando anualmente o Acampamento Farroupilha.

Fototeca Sioma Breitman/MJJF – PMPA

Fototeca Sioma Breitman/MJJF – PMPA